domingo, março 29, 2015

Alcácer do Sal volta a receber Volta ao Alentejo


Pelo segundo ano consecutivo, Alcácer do Sal volta a receber a Volta ao Alentejo em bicicleta. A quinta e última etapa da 33ª edição da Volta teve início com a partida simbólica, do Largo do Tribunal, pelas 11.20h. A chegada será em Reguengos de Monsaraz e está prevista para as 15.50h.
Para esta última etapa estavam inscritos 156 atletas de 23 equipas mas o pelotão contou apenas com 152 ciclistas na linha de partida por desistência de quatro elementos.
O pelotão conta com quatro atletas alentejanos e as equipas são oriundas de vários países, entre eles Rússia, Polónia, Equador, Espanha para além de Portugal, naturalmente, e ainda três equipas norte-americanas entre elas a selecção dos EUA.
A partida simbólica foi dada com o corte da fita pelo Presidente da Câmara Municipal de Alcácer do Sal. Vitor Proença congratulou-se com o facto de Alcácer do Sal receber uma etapa da Volta ao Alentejo pelo segundo ano consecutivo.

Tudo sobre a 33ª Volta ao Alentejo AQUI




Os momentos iniciais


Os ciclistas já alinhados para a partida simbólica


O Presidente da Câmara Municipal acompanhado pelos vereadores permanentes dá início à partida simbólica com o corte da fita

Em primeiro plano, o líder da Volta nesta quinta etapa, o polaco Pawel Bernas, da Activjet, que conquistou a amarela ao ganhar vantagem sobre os adversários nos últimos 1.500 metros da etapa anterior, com meta em Vila Nova de Santo André


O momento da partida




Saída, dos ciclistas, de Alcácer do Sal rumo a Santa Susana nesta que é a última etapa da edição deste ano, em Reguengos de Monsaraz


Cratera no passeio: Não podemos deixar de reportar esta situação infeliz que se arrasta há bastante tempo e que não abona nada a favor de Alcácer. Se se quer receber pessoas e eventos, primeiro deve-se «arrumar e reparar a casa»

sexta-feira, março 27, 2015

Câmara de Alcácer poderá ser uma das muitas que usam herbicida potencialmente cancerígeno nas ruas do concelho



A Câmara Municipal de Alcácer do Sal poderá ser umas das muitas autarquias portuguesas que usa nas ruas das localidades do concelho um herbicida potencialmente cancerígeno. 
A Organização Mundial de Saúde através da Agência Internacional para a Investigação do Cancro (IARC) declarou o glifosato, o herbicida mais vendido em Portugal, como "carcinogénio provável para o ser humano". A IARC invoca estudos sobre a exposição ao glifosato, sobretudo na agricultura, nos EUA, Suécia e Canadá que sugerem uma associação entre o glifosato e alguns tipos de cancro do sangue.
Organizações ambientalistas portuguesas querem mesmo que a União Europeia proíba o glifosato antes que as consequências se agravem e alertam para a gravidade específica de Portugal por este ser o país onde este tipo de herbicida é mais vendido. "A situação é particularmente grave", refere, num comunicado, a Plataforma Transgénicos Fora, que reúne dez agências não-governamentais portuguesas. O glifosato é comercializado livremente para uso doméstico e é usado "com abundância" por quase todas as autarquias que o usam para aspergir as ruas, sendo esta uma das formas mais relevantes de exposição das populações, segundo a IARC. 
Na verdade, entre 41 países europeus, Portugal apresenta uma taxa de mortalidade "claramente superior à média da União Europeia", sendo o sétimo país onde mais se morre da referida doença.
A nível nacional este tipo de cancro é o nono mais frequente, registando-se 1.700 novos casos por ano, segundo dados fornecidos pela Plataforma a qual já em 2014 desafiou as autarquias a aderir à iniciativa "Autarquias Sem Glifosato" mas até ao momento apenas quatro câmaras e oito freguesias assumiram formalmente o compromisso de abolir o herbicida.
À semelhança das suas congéneres, a Câmara Municipal de Alcácer do Sal usa herbicida nas ruas das localidades do concelho. Ainda há poucas semanas as ruas do Torrão foram aspergidas com herbicida. Resta saber se é este tipo de produto embora haja efectivamente uma grande probabilidade de se tratar do glifosato.
A última aquisição de herbicida levada a cabo pela autarquia alcacerense ocorreu em Março do ano passado e atingiu o montante de 9.700,00€ (sem IVA) como se pode ver aqui.


Para saber mais clicar aqui, aquiaqui, e aqui.

Segunda reunião preparatória da Feira Quinhentista 2015

Já está marcada a próxima reunião de preparação da Feira Quinhentista do Torrão, edição 2015. Terça-feira, dia 31 de Março, a partir das 21.30h no Polo da Biblioteca Municipal.

quinta-feira, março 26, 2015

ELES QUEREM É PROPAGANDA MAS INFORMAÇÃO ÚTIL AOS CIDADÃOS «TÁ QUIETO»




É caso para dizer que... meteram água. 
As facturas da água deste mês, todas elas em todo o concelho de Alcácer do Sal, têm um lapso. Não trazem código de barras pelo que é impossível a leitura óptica e portanto esta não pode ser liquidada nem nas Pay Shops nem nos correios; e não trazem os dados que permitam que esta seja liquidada através de multibanco.
Resumindo e concluindo pergunta-se: Então como vamos pagar a conta deste mês? Teremos que nos deslocar à Câmara, a Alcácer do Sal? Irão enviar novas facturas?
Então porque é que não sai nenhum comunicado cá para fora e nem no site e nem na página da Câmara Municipal de Alcácer do Sal e nem nas páginas das juntas nomeadamente da Freguesia de Torrão não se vê rigorosamente nenhuma menção ao referido lapso?
Então não se prestam contas aos munícipes? Então há um lapso, a meu ver grave, e não há nem uma palavra nem para lamentar nem para, mais importante ainda, informar quais os procedimentos a adoptar???!!! Ou ainda não se aperceberam de nada???!!!
O que se sabe é de forma oficiosa. Há quem diga que serão emitidas novas facturas, há quem diga que esta pode ser pagável nas delegações camarárias mas o que é facto é que concretamente e oficialmente nada se sabe.
Bem sabemos que não é a autarquia que emite directamente as facturas mas uma empresa contratada para o efeito mas ainda assim não há uma explicação?
Muito mal vai a comunicação da autarquia para os cidadãos. Então as páginas on line servem para quê? Para informação útil é que não é de certeza. Bem, servem para propaganda, propaganda e mais propaganda. Estamos mesmo bem servidos não haja dúvida! É caso para dizer que estamos entregues aos bichos.
Tudo como dantes e portanto se tudo igual, combate igual. Cá estamos para lhes dar combate sem tréguas. Impressionante! Tal como no passado, voltamos à velha tese: Se não dão pra mais, se não têm capacidade para ir mais além sem ser propaganda e vender uma imagem (falsa) saiam, não se estejam a moer nem a moer os demais. Desapareçam e deixem vir quem tenha capacidade de ir mais além!
Assobia-se para o ar e tenta-se passar pelo assunto como cão por vinha vindimada. Como se não existisse. A ver se a coisa passa despercebida. E as pessoas preocupadas, nomeadamente os mais velhos, quando vão tentar pagar as facturas e lhes dizem que não pode ser porque há um erro.
Assim tá bem!




.

quarta-feira, março 25, 2015

Afinal José Malhoa já veio à feira do Torrão ou não?

Mal foi do conhecimento público no Torrão, através do nosso blog, que José Malhoa iria ser o artista principal na edição de 2015 da feira do Torrão, muitos foram aqueles que admirados perguntavam: Outra vez?!
O desânimo tomou então parte dos torranenses que reclamam que não há inovação e que é mais do mesmo.
Mas afinal José Malhoa já veio actuar à feira do Torrão ou não? E se veio, quando é que isso foi?
Fomos aos arquivos do Pedra no Chinelo e efectivamente não há dúvidas: José Malhoa foi o artista principal que surgiu em palco na feira de 2009 como aliás se pode ver na imagem abaixo e aqui.



Grande sondagem Pedra no Chinelo: Jornal Municipal é inútil e despesista

Sem margem para dúvidas. A última grande sondagem Pedra no Chinelo não deixa margem para interrogações quanto à opinião que os leitores do blog têm acerca da utilidade e da despesa que este acarreta.
À pergunta, "Vê alguma utilidade na existência de um jornal municipal?", 88,2% responde "Não" enquanto apenas 11,8% respondeu afirmativamente.
Já quanto à pergunta "Concorda com a despesa de mais de 8 mil euros com o jornal municipal em 2015?", o "Não" recolheu quase 95% das respostas e apenas 5,3% dos inquiridos concordam com esta despesa por parte da autarquia.








terça-feira, março 24, 2015

José Malhoa é o cabeça-de-cartaz da Feira do Torrão



«Aperta, aperta com ela». É o som desta música e das demais do repertório do cantor popular que se irá ouvir na edição deste ano da Feira do Torrão.
José Malhoa irá ser o artista principal a entrar em palco.
Foi no passado dia 4 de Março que a Câmara Municipal de Alcácer do Sal celebrou o contrato o qual foi publicado ontem, Segunda-feira, dia 23 e que pode ser visto aqui. Onze mil e quinhentos euros acrescidos de IVA à taxa em vigor (23%), o que perfaz um valor total de 14.145,00€, é quanto a autarquia irá desembolsar pelo aluguer do palco durante o certame e pela contratação do artista.


Em Alcácer do Sal nem todos os dias é Natal


Esta é mais uma daquelas proezas (sem querer fazer trocadilho com o nome do senhor presidente) que ninguém percebe. Então a Câmara Municipal apoia uma coisa e depois faz outra completamente oposta? Ou o comércio local é só para ser apoiado no Natal?
«Compras de Natal é no comércio local». Até rima e tudo.
Afirma a Câmara que «Dinamizar a cidade e fomentar o comércio tradicional é o objetivo da iniciativa “Compras de natal no comércio local”, promovida pela Câmara Municipal em parceria com a União de Freguesias de Alcácer do Sal (Santa Maria do Castelo e Santiago) e Santa Susana».
Ora até aqui tudo muito bem.
Mas depois a mesmíssima câmara que diz que apoia o comércio local, vá-se lá saber porquê, faz uma aquisição de serviços por ajuste directo (claro está!!!) adjudicando a uma empresa gráfica... do Montijo (?!) a impressão do seu «Jornal Municipal» para o corrente ano, no valor de 8.180,00€.
Acontece que em Alcácer do Sal, e aqui é que está a contradição, e para quem não sabe, existe uma gráfica, a Gráfica Alcacerense.
Por acaso não sabem? Bem sabemos que o senhor presidente não é de cá e só veio para cá única e exclusivamente para ser administrador do concelho - parece que em 11 mil almas aqui residentes ninguém é suficientemente inteligente para o lugar mais alto na Câmara - mas haja alguém (a começar pelo seu staff directo) que explique ao homem que no concelho que administra existe uma gráfica.
Então a Câmara Municipal tem uma empresa no concelho que faz justamente este tipo de serviços e depois vai entregar o serviço a outros?!




Então afinal em que é que ficamos?
Afinal a Câmara Municipal de Alcácer do Sal apoia o comércio e as empresas locais ou não? Ou só apoia às Segundas, Quartas e Sextas e deixa de apoiar às Terças, Quintas e Sábados?
Como é que depois destas e de outras quem lidera os destinos de um concelho tem autoridade moral e, mais importante ainda, credibilidade, para lançar esse tipo de campanhas e apelar aos seus munícipes para fazer compras no comércio local?
Quem lidera está sempre e continuamente a enviar mensagens. Todos estão sempre com os olhos no líder pelo que este deve dar sempre o exemplo pois todos seguem o exemplo de quem lidera. Se os sinais enviados forem positivos pois é bom de de ver que a resposta será positiva; já se os sinais enviados forem negativos...

Está visto. É caso para dizer que, e também rima, em Alcácer do Sal nem todos os dias é Natal.




domingo, março 22, 2015

Torrão despede-se com emoção da visita pastoral

Foi com emoção que terminou hoje a Visita Pastoral e que o Torrão se despediu nesta tarde da imagem de Nossa Senhora Mãe Peregrina, que irá agora estar na Paróquia de Alcácer do Sal.
O último evento, que reuniu dezenas de fiéis, foi a procissão do adeus, que teve lugar a partir das 18 horas, com saída da Igreja de S. Francisco. A despedida ocorreu na ponte romana do Torrão junto à Capela de S. João da Ponte. Contudo, mais uma vez, também esta capela manteve-se de portas fechadas, sinal de que também esta não está em condições de ser mostrada.
Lenços brancos e lágrimas marcaram a partida da imagem sacra.
Recorde-se que a visita pastoral à Paróquia do Torrão teve lugar entre os dias 15 e 22 de Março.

 Momento da saída da Igreja de S. Francisco







Entre acompanhantes a pé e um cortejo de dezenas de carros foram muitos os fiéis que foram em procissão até à ponte do Torrão, sobre o Rio Xarrama 


 Lenços brancos e lágrimas marcaram a partida da Imagem de Nossa Senhora

 A partida da imagem sacra fez-se numa viatura dos Bombeiros do Torrão

Capela de S. João da Ponte 

As portas encerradas, uma imagem que vai sendo habitual por cá





sexta-feira, março 20, 2015

Até nisto: Torrão só teve direito a metade do eclipse solar

Nem as condições atmosféricas querem nada com o Torrão. É esta a conclusão que se pode tirar do facto de aqui apenas ter sido possível observar metade do eclipse solar. No entanto, quase dezasseis anos depois, um eclipse parcial do Sol volta a ser visível por estas bandas - o último tinha sido também numa manhã mas de 11 de Agosto de 1999. 
O evento teve lugar pelas 8 horas da manhã e atingiu o pico máximo às 9 horas. O céu apenas se manteve limpo entre as 8 e as 9 horas - por pouco não se vislumbraria o máximo da oclusão do disco solar a qual chegou aos 71%.
 A partir daí e até ao término do evento astronómico, pelas 10 horas, o céu foi ficando paulatinamente muito nublado impedindo a observação da parte final do fenómeno.

 O disco solar ainda totalmente descoberto 

 Início do eclipse solar foi às 8 horas da manhã

Dez minutos depois o disco solar já estava significativamente eclipsado 


Próximo do pico de oclusão 

Vista da vila do Torrão durante o eclipse desta manhã

 O ponto máximo foi atingido pelas 9 horas da manhã. As nuvens ameaçaram e por pouco o máximo não era registado

 Ermida de Nossa Senhora do Bom Sucesso. As nuvens ameaçadoras não deixavam margem para dúvidas. O espectáculo celeste ia mesmo terminar mais depressa no Torrão

A densa camada de nuvens permitiu contudo tirar uma foto sem filtros caso contrário o excesso de luz ofuscaria a imagem 


Uma pequena janela de oportunidade permite registar o trânsito da Lua já na fase de desobstrução com o crescente solar a ficar cada vez maior