sábado, dezembro 20, 2014

Pelo segundo ano consecutivo: Concerto de Natal enche Igreja Matriz

Mais uma vez, e à semelhança do ano passado, a Igreja Matriz do Torrão volta a encher por completo para ouvir a actuação da Orquestra Metropolitana do Sul que actuou sob a batuta do Maestro John Avery. O Concerto de Natal foi organizado pela Câmara Municipal de Alcácer do Sal e contou com o apoio da Junta de Freguesia do Torrão. Presentes no evento estiveram o Presidente da Junta de Freguesia do Torrão, Virgílio Silva bem como o Presidente da Câmara Municipal de Alcácer do Sal, Vitor Proença, e restante executivo municipal e ainda António Balona, Presidente da Assembleia Municipal.
Foram executadas dez peças musicais, a começar por "Sleigh Ride" de Three German Dances, K. 605, Nº605, de W. A. Mozart, seguindo-se "Sleepers Wake" de Cantata Nº140, de J. S. Bach; "Selecção de Branca de Neve e os Sete Anões", de Frank Churchill com arranjo de John Avery; Birthday Carol, de John Avery; "Troika - Passeio de Trenó", de Prokofiev; "Noite Feliz", de Adolphe Adam e arranjo de John Avery; Valsa "Les Patineurs", de Émile Waldteufel; "White Christmas", de Irving Berlim; Música do Ballet "Copéllia", de L. Delibes e arranjo de John Avery e por fim, um "Medley Pop Into Christmas", um arranjo de John Avery e que inclui "Frosty the Snowman", "Santa Claus is Coming to Town", "I Saw Mammy Kissing Santa Claus"; "Have Yourself a Merry Little Christmas".
A Orquestra Clássica do Sul nasceu em Setembro de 2013 com o objectivo de consolidar a sua implementação nas regiões algarvia e espanhola da Andaluzia e alargar a sua actividade às regiões do Alentejo e da Península de Setúbal, oferecendo uma programação diversificada e de elevada qualidade artística.
De referir ainda que, ao contrário do ano passado, e apesar do Cante Alentejano ter sido elevado recentemente a património imaterial da Humanidade, nem o Grupo Coral e Etnográfico da Cooperativa de Grândola (que marcou presença no ano passado) nem o Grupo Feminino de Cantares do Xarrama, foram integrados no evento, isto apesar da Câmara e Assembleia municipais se terem congratulado com a distinção da UNESCO. Uma falha grosseira que fica registada.




 O Presidente da Junta de Freguesia do Torrão congratulou-se pela presença, mais uma vez no Torrão, da Orquestra Clássica do Sul.

O Presidente da Câmara Municipal frisou que a cultura será um dos pontos fortes do seu mandato







PENSAMENTOS MANHOSOS – “TRADIÇÃO”

E chegámos ao Natal, talvez a única festa tradicional que realmente me toca na sensibilidade. Eu sei que é muito controversa esta quadra pois será muito difícil para quem está só, está doente ou dorme na rua não a achar uma crueldade. Uma quadra que pretende lembrar o nascimento de um Ser que traria felicidade e amor ao mundo devia efectivamente zelar por isso. O Natal transformou-se, ou por outra, foi transformado ao longo dos anos numa quadra em que se acentuam as desigualdades, o consumismo, as falsidades e, por isso, se descaracterizou completamente. A Missa do Galo que era sempre à meia-noite passou para a hora a que der mais jeito ao Padre. As filhoses passaram para o Carnaval. Já ninguém faz as searinhas que tinhamos de regar todos os dias com água, que primeiro punhamos na boca, e que cresciam ao escuro, normalmente debaixo das nossas camas ou fechadas em armários. O sapatinho à chaminé passou de moda e resume-se a uma troca de prendas directamente. Pessoalmente nunca fui de dar prendas, embora sempre receba, pois nunca percebi porquê, é um acto que me emociona desmasiado, tanto dar como receber. Prefiro a harmonia e a paz desta quadra. Até como cada vez há menos e são mais estreitas as chaminés, o Pai Natal é impedido de trabalhar. Relativamente ao Pai Natal eu nunca percebi porque é que se há-de impedir as crianças de sonhar, nem vi o benefício de impedir uma criança de descobrir mais tarde, por ela própria, todo o mistério. O bacalhau com batatas virou moda, pois na minha infância comia-se a carne de porco em conserva, frita na consoada. O perú, que era sempre o almoço do dia de Natal, é comido também ao jantar se der mais jeito. Eu confesso que nunca fui em modernices e que de há 40 anos a esta parte que nos habituámos, na nossa casa, aos nossos rituais que, felizmente, temos conseguido manter tanto quando estamos sozinhos como quando tenhamos a família reunida. Os postais de Boas Festas que comprávamos aos pacotes e escrevíamos com o nosso punho transformaram-se em sms, e-mails, onde com uma só lenga-lenga encaminhamos de uma só vez para toda a gente, impedindo assim também os carteiros de trabalhar... mais. Só uma coisa não mudou e não sei se mudará algum dia: A falsidade dos votos. Finge-se que se perdoa a quem nos ofendeu mas a acção é apenas válida por 24 horas, quando é. Deseja-se tudo do melhor para o ano mas que não seja melhor que o nosso. Podem crer que na noite da consoada sempre fico perturbado com o pensamento fixo naqueles que, por qualquer razão, não podem ser felizes nesta noite. Nunca nos deitamos antes da meia noite pois para nós, não sei porquê, o Menino nasceu a essa hora. Todos os anos nesta noite ouvimos a mesma música de Natal da Nana Mouskouri e o Last Christmas do George Michael. Desde há muitos anos que esta semana do Natal sempre me transporta à reflexão interior. Penso apenas na razão que levará à maldade de umas pessoas, e à bondade de outras, pois eu acredito que ainda há muita gente boa. Procuro pôr de lado os podres deste Mundo não para ignorá-los mas para me dar a mim próprio uma trégua. O mês de Dezembro que costuma ser horrível em catástrofes naturais para a humanidade, este ano, à parte da ilha do Fogo, até tem estado sereno e esperemos que assim se mantenha. Nas próximas 2 semanas não haverão “Pensamentos Manhosos” porque é o meu período de balanço e projectos interiores, e voltarei dia 10 de Janeiro 2015. Digamos que se trata do meu retiro espiritual que me ajuda a repensar o que esteve menos bem no passado e a pensar a forma de melhorar o futuro. Assim sendo quero também dizer-lhes que estou grato pela atenção em crescente que têem vindo a merecer aqui no Pedra no Chinelo estes meus “Pensamentos Manhosos” que outra função não têem que de provocar algum debate e exposição de ideias e uma troca de pontos de vista que para mim têem sido muito úteis. Quero desejar na pessoa do Paulo Selão, os votos de crescimento do Pedra no Chinelo que, com as suas virtudes e os seus defeitos, tem vindo a ser precioso tantos nas reacções que provoca, por vezes desagradáveis mas que o Paulo enfrenta com realismo e até estoicismo, como nas chamadas de atenção sobre problemas na nossa terra que por vezes até não passam de distracções. Para todas e todos e respectivas Famílias:
UM SANTO NATAL E QUE 2015 VENHA REPLETO DE TUDO O QUE MAIS DESEJAREM DE BOM.


Umas boas 2 semanas para todos e pensem, mas desta vez mais no ser humano.
Jorge Mendes

Bruxelas, 20/12/2014

sábado, dezembro 13, 2014

PENSAMENTOS MANHOSOS – “TEMPOS CONTURBADOS”

Eu tive a felicidade de viver toda a minha vida tempos que, embora tristes e sempre conturbados, foram muito ricos históricamente e de grande aprendizagem pelo que pessoalmente não me espantam os acontecimentos neste momento no país. Também tudo o que eu penso e digo é apenas o que penso e digo e não pretendo razão nem atingir nenhum objectivo. Eu vivi toda uma guerra que eu nunca considerei guerra mas sim revolução ultramarina musculada que durou 13 anos. Não tínhamos inimigo mas sim portugueses descontentes como hoje existem irlandeses, espanhóis, franceses e, claro, portugueses que se querem libertar dos governos centrais. No Ultramar não matámos inimigos nem fomos mortos por inimigos mas sim lutámos fratricidamente e disso resultaram milhares de mortes de ambas as partes. Muitos portugueses socialmente intocáveis foram presos, deportados ou fugiram. Depois vivi uma revolução que embora muita gente diga que não matou ninguém eu sei que matou e vi algumas mortes. Só que esta última revolução já dura há 40 anos, tem vindo a matar muita gente, uns por isto outros por aquilo e, muitos portugueses também ditos socialmente intocáveis, têem sido tocados e vão continuá-lo a ser muitos mais. Todas as semelhanças entre as duas revoluções são notáveis a quem quer ver, só com uma diferença, na outra revolução havia um país extremamente forte económicamente, hoje temos um país extremamente debilitado, sem soberania e sem rumo. Um povo que andou com o herói Otelo Saraiva de Carvalho aos ombros e depois o viu preso. Com um Spínola que depois viu preso. Que deixou morrer praticamente incógnito um Salgueiro Maia. Salazar tinha feito o mesmo a Aristides de Sousa Mendes. Queixaram-se alguns de que Salazar esteve 36 anos no Governo, Alberto João Jardim gaba-se à boca cheia de que bateu o recorde. Dizem que antes não se podia falar mal do Estado, hoje também não pois o PR até já abriu processos contra um descontente ou mais e Sócrates diz que vai processar toda a gente. Dantes tinha-se medo de falar pois podíamos ir presos, hoje temos medo de falar porque podemos ser despedidos do emprego ou perder as benesses que são concedidas a muitos, que não a mim. Mas tudo isto a propósito de eu continuar à procura de semelhanças ou diferenças entre o antes e depois. Não há diferenças mas há semelhanças aos montes. O povo continua a ser, como antes, tratado de mexilhão. Todo este folclore de prisões por enquanto apenas me põe uma estranha sensação no cérebro. Prendem uns, soltam outros e no fim vão ficar todos amigos e a rir-se dos otários que continuam a crer neles. Toda esta gentalha política e rica que está presa, se não fôr para apanharem pelo menos 25 anos de prisão não percebo para que os prendem. Sim porque eu não acredito que os tenham prendido só porque meteram a mão na massa. Valores muito mais altos que aqueles que nós supomos se levantam para chegarmos a este ponto. E vamos lá a ver se ainda não vamos ter de os indemnizar todos por danos morais e erros judiciais. Ver o Alegre aos abraços com o Soares é o mesmo que o Portas abraçado ao Manuel Monteiro ou ao Ribeiro e Castro. Eu vi alguns democratas e até governantes de hoje abraçados a Salazar, não muito abraçados pois ele não permitia desmandos. Eu vi um Ministro da Educação de Salazar que mandou carregar sobre os estudantes em Coimbra em 1966, ser idolatrado por gente de memória curta e que se fartaram de chorar no seu funeral. Eu vejo ainda hoje em dia um ex-ministro de Salazar e depois ministro na democracia, ser chamado a opinar sobre problemas que estes cérebros não conseguem resolver. Quando assisto a um José Eduardo dos Santos e família a darem ordens a Portugal é porque já vi quase tudo. Quando vejo um Xanana fazer o que fez aos nossos Juízes não me espanta. Se chegar a ver a Isabel dos Santos, algum chinês ou algum árabe em Presidente de Republica Portuguesa não me vou espantar. Muito mais há que eu vi mas que não cabe aqui. Tal como eu, muita gente já viu o que eu vi mas terá as suas razões para não falar. Resumindo, estamos em período de arrufos, de ameaças tipo se falas de mim eu falo de ti, mas eu estou convencido que ainda os hei-de ver todos abraçados e aos beijinhos.


Uma boa semana para todos e pensem.

Jorge Mendes
Bruxelas, 10/12/2014

quinta-feira, dezembro 11, 2014

Largo das Palmeiras requalificado

Terminaram as obras de requalificação do Largo das Palmeiras, no Torrão. De recordar que na sequência da praga do escaravelho-vermelho as quatro antigas palmeiras que ali se encontravam, da espécie «Canariense», acabaram todas por morrer, notícia que foi dada aqui e aqui.
Na sequência, a Câmara Municipal de Alcácer do Sal procedeu a obras de requalificação transformando o local num pequeno espaço ajardinado onde nem os bancos faltam. Nem os bancos nem as palmeiras; na verdade estas não poderiam faltar ou não fosse o largo justamente das palmeiras algo que seria uma falha absolutamente imperdoável. No entanto ao invés de quatro, são agora duas as palmeiras ambas da espécie «Washingtonia», espécie menos susceptível de ser atacada pelo escaravelho-vermelho o qual prefere as «Canarienses».
De referir contudo que sendo um espaço ajardinado com bancos e tudo não se justifica a não colocação de pelo menos um objecto destes:



Ao que tudo indica, a ausência de pelo menos uma papeleira resulta de esquecimento. Só pode pois no ano passado a grande prioridade passou pela colocação de um número considerável de papeleiras, espalhadas pelo Torrão e em particular pela Praça Bernardim Ribeiro, semelhantes à da imagem acima pelo que é de estranhar nem uma se encontrar agora ali no (novo) Largo das Palmeiras.











O Diabo esconde-se nos pormenores

 No dia 15 de Dezembro irá decorrer uma acção de sensibilização (?) que, ao que parece, consiste unicamente em receber um saco (!) reutilizável. Para tal basta levar a factura da água do mês de Outubro.
Para além da informação, já se sabe, a gaffe do costume: o Despacho nº35/GAP/2013 afinal data de 24 de Outubro de... 2012.
Pode ser insignificante mas não deixa de ser uma gaffe. Poder-se-á dizer que errar é humano. Pois é! Há apenas dois pormenores:

1 - A frequência com que se erra (grande);

2 - Uns erram uma vez e são crucificados e outros podem errar uma vida inteira que está sempre tudo bem.



Quando os alcacerenses mais qualificados em todas as áreas, seja elas desporto, ciência, artes; em suma, todas, por o serem, e que por medo, os maiores medíocres promovem autenticas patifarias até os escorraçarem para afastarem potenciais ameaças enquanto eles, os de sempre, tirando algumas excepções, como não pode deixar de ser, autenticas matilhas familiares, vão-se amanhando; enquanto tal se verificar este concelho não medrará jamais.
E assim o concelho de Alcácer nunca passará da cepa torta. O concelho com mais desemprego, mais desertificado, com maior risco de pobreza, menos industrializado, etc., etc. Nem que tenham que importar os presidentes de câmara - sim, porque parece que 11 almas precisam de um tutor, de serem governados por «outsiders» e isto há 20 anos. 
Assim nem que os importem de outra galáxia. Ganham-se as mesmas!








quarta-feira, dezembro 10, 2014

Prédio devoluto: Serviços municipais procedem à limpeza de escombros

O prédio devoluto das Rua das Torres oferece agora menos perigo depois da intervenção, há poucas horas, dos serviços camarários. A situação do imóvel tinha-se degradado acentuadamente no passado fim-de-semana, facto que mereceu notícia no nosso blog e bastaram apenas escassas horas para que os serviços municipais, hoje, logo pela manhã, procedessem à remoção dos escombros que cobriam parcialmente a rua. A intervenção não passou apenas pela limpeza do entulho. Paralelamente, a parte mais instável e que ameaçava ruína foi derrubada tendo sido neutralizado o risco para a segurança pública neste troço de uma das ruas do Torrão.








terça-feira, dezembro 09, 2014

Ruas das Torres: Situação de prédio devoluto cada vez mas preocupante

A situação do prédio devoluto situado na Rua das Torres, junto à confluência com a Rua do Relógio, é cada vez mais preocupante.
No passado fim-de-semana ocorreu mais uma derrocada parcial da fachada tendo a rua ficado parcialmente coberta de escombros. Até ao dia de hoje os escombros permanecem no local sem que os serviços municipais ainda tivessem procedido à sua remoção.
O que ainda não caiu está como as imagens mostram, numa situação de significativa instabilidade e é só uma questão de tempo até haver novo colapso. 
Recorde-se que esta situação teve início há quase um ano e foi noticiado aqui. As medidas então adoptadas cingiram-se à colocação de uma grade e de um sinal de trânsito a proibir o estacionamento, situação que permanece até agora.
Um caso que deve ser acompanhado de perto pelos serviços municipais de protecção civil. Recomenda-se aos transeuntes especial cautela.







Vá-se lá saber

Na confluência do chamado Largo do Sopapo com a Rua dos Lavradores vamos encontrar mais uma situação insólita.
O Largo do Sopapo foi remodelado em 2009 e convertido em local de estacionamento. Ora quem vem da Rua dos Lavradores e quiser virar à direita para estacionar o carro tem que ter cuidado com um obstáculo extra: um pilarete metálico que ali foi plantado. Acontece que este pilarete também pode representar perigo para quem ali transita mesmo que queira apenas seguir em frente pois nem uma faixa fluorescente tem.
Mas porque carga de água é que este pilarete foi ali colocado? Para proteger a parede. Só pode! Como é uma parede nova e bonita há que a proteger dos embates mesmo que isso signifique retirar margem de manobra para quem quiser virar para estacionar. Os carros podem ficar danificados, a parede é que não. Para além disso, houve ligeireza em plantar o obstáculo mas colocar um sinal de trânsito a anunciar que ali é parque de estacionamento, isso é que já não.
Mas ainda assim quem é que tem ideias destas. Vá-se lá saber.





                                                    O Largo do Sopapo e a localização do pilarete

Como temos aqui uma parede nova e bonita há que proteger. É para proteger os condutores para estes não baterem na parede. Pois... podem não bater na parede mas se tiverem de bater batem no pilarete. Gente inteligente!



O Largo do Sopapo tem um parque de estacionamento mas um sinal destes, nem vê-lo

sábado, dezembro 06, 2014

Tolerância de Ponto: Presidente da Câmara de Alcácer entra em competição com governo e desautoriza Vice-Presidente

"Quando os que mandam perdem a vergonha, os que obedecem perdem o respeito."
Cardeal de Retz


Uma situação no mínimo insólita e embaraçosa no que toca à tolerância de ponto a ser concedida pela autarquia de Alcácer, aos seus funcionários.
Um despacho datado de 3 de Dezembro e assinado pela Vice-Presidente da Câmara, Ana Chaves, que detém, entre outros, o Pelouro dos Recursos Humanos, determinava que seria dada tolerância de ponto de meio-dia no dia 24 de Dezembro e de um dia a 26 de Dezembro e 2 de Janeiro.
Mas no dia 4 de Dezembro, um outro despacho, assinado pelo Presidente Vitor Proença, anula o despacho anterior e determina que serão três os dias de tolerância de ponto, a saber, dias 24 e 26 de Dezembro e 2 de Janeiro.
Depois do governo ter determinado dois dias de tolerância de ponto, parece que o edil alcacerense quis ir mais além e entrar em despique com o governo nem que para isso tivesse que passar por cima da sua Vice deixando-a completamente desautorizada publicamente e numa situação política que não deixa de ser embaraçosa. 
Um caso flagrante de descoordenação e de autocracia que vem fragilizar politicamente ainda mais um executivo que, passado apenas um ano de mandato, já está seriamente desgastado e passa uma imagem de desorientação total.
Apesar do país estar em crise, ainda se vive como se não houvesse amanhã. Mais uma a ser paga pelos do costume.
Razão tinha o Cardeal de Retz.






Estrada de S. Romão: Mês e meio depois da denúncia câmara avança finalmente com obras de reparação



Mês e meio depois de denunciada no Pedra no Chinelo, mais concretamente aqui, a situação perigosíssima em termos de segurança rodoviária na estrada junto à aldeia de S. Romão do Sado, na freguesia do Torrão, a Câmara Municipal de Alcácer do Sal anunciou na sua página de Facebook, o arranque dos trabalhos de reparação os quais irão começar, se tudo correr de acordo com o previsto, na próxima Quarta-feira, dia 10 de Dezembro. Devido ás obras, a estada irá estar encerrada ao trânsito entre as 8.00 horas e as 18.00 horas.


Fonte: Facebook (Câmara Municipal de Alcácer do Sal)



Recorde-se que esta situação tem-se vindo a agravar gradualmente, num troço que já de si é perigoso por ser uma zona de acentuada inclinação e com uma curva apertada exactamente no local em causa sem que nada tivesse sido feito até então.
O solo tem abatido significativamente, o asfalto tem múltiplas fissuras e o desnível que se verifica já a meio da estrada não pode deixar de ser preocupante.
Para agravar ainda mais uma situação que já de si é perigosíssima, não existe qualquer sinalização a alertar os condutores.

O sinalinho encantado

Consegue ver o sinal de trânsito?
Fica na Rua 5 de Outubro perto da confluência com a Rua Nossa Senhora do Bom Sucesso e bem perto do estaleiro municipal e está no estado que as imagens mostram. 
Um denso matagal que vem de uma propriedade privada mas que invadiu a zona pública de tal forma que é completamente impossível transitar no passeio. Claro que o sinal também está totalmente camuflado.
O que vale porém é que este sinal não está ali a fazer nada. É o tal sinal de que falamos aqui e que limita a velocidade a 50 Km/h pese embora o facto de estarmos dentro de uma localidade e como tal, a velocidade ser mesmo de 50Km/h. É tipo a pescada - antes de ser já o era. Foi aqui colocado em 2011 e por ali ficou. No entanto, como a imagem abaixo mostra, ao menos em 2011, não havia o matagal que agora impede totalmente os transeuntes de andarem no passeio.





Está visto. É pra ficar assim!






DE MAL A PIOR!

É preciso ter coragem! Agora ainda a desgraça é maior. Até parece mentira que esta situação permaneça assim há semanas. Na verdade, o assunto já tinha sido aqui abordado vai para um mês. Ainda assim não há uma pá nem uma vassoura para limpar isto?! Se tarefas simples como esta (ou esta) levam meses está-se mesmo a ver o resto. Inacreditável! Bastavam cinco minutos. Cinco minutos leva uma tarefa destas a ser executada. Isto passa-se no pavilhão municipal, junto ao Centro Escolar, uma obra que custou dois milhões de euros. Já não se diz para repararem mas ao menos, ao menos, limpem os cacos. Aqui brincam crianças. Estas podem-se aleijar. Ou não fazem por incompetência pura ou por casmurrice. Pode-se ser incompetente mas ter humildade para agir quando as situações são detectadas mas isto é incompetência arrogante e casmurrice pura. Haja consciência! As crianças vêm para ali brincar e já há um caco no passeio, no exterior do recinto, como se pode ver numa das fotos. Só podem ter sido os miúdos a não ser que agora alguns vão dizer que foram as bruxas que pularam a rede para ir atirar um caco fora. Os mesmos que sem argumentos tentam arrastar na lama o nome de gente séria e que com poucos ou nenhuns recursos faz mais que muitos com tudo nunca hão-de fazer. Isso é que não toleram. Não toleravam no passado e não toleram agora. E assim mostram toda a sua incapacidade, incompetência e mesquinhez. Assim «servem» uma comunidade. Lá vão agora dizer que é mais uma patifaria, uma abominável crítica, maldicência pura, fruto da falta do que fazer mas tal é desmentido todos os dias e até as imagens estão aqui para mostrar que é tudo verdade e quem tiver dúvidas que vá lá neste preciso momento ver. Um exercício de pura velhacaria. Eles sabem que não é verdade pois são totalmente incapazes de o dizerem na cara e quando passam na rua, baixam a cabeça. Isto diz tudo! Depois andam amuados como se não tivessem que dar satisfações a ninguém e todos nós tivéssemos que bater palmas. Isso é na Coreia do Norte. Por princípio e seriedade mesmo, todas as imagens publicadas no face ou no «Pedra» são fotos frescas, imagens acabadas de captar e não imagens de semanas. Estas foram de hoje. O Torrão agora até parece mais desleixado, mais encardido, mais relaxado. Um nojo! É verdade, bem dizem alguns: em pleno século XXI coisinhas destas. Depois quando elas acontecem é que são elas. 

E AGORA; FICA ASSIM? ATÉ QUANDO?