terça-feira, dezembro 28, 2010

Postais de Natal

Ridendo castigat mores (A rir se corrigem os costumes)

Querido Pai Natal

Quero antes de mais agradecer-te as prendinhas que me deste ano. Sei que não foram muitas mas fiquei satisfeito. É justo! Escrevo esta singela carta para te agradecer mas também para te elucidar acerca do insólito trabalhinho que certamente já te apercebeste aqui por terras de Bernardim. Naturalmente que já pusestes os olhos neste lindo servicinho que aqui é feito há dois anos consecutivos e certamente já deu para uma pequena reflexão.
Não sei se tal te desagrada ou não nem sei se tu, porventura durante a tua longa vida, já viste algo do género. Aliás, tal como eu, já te deves ter interrogado com questões do género: Como é possível permitir-se uma coisa destas? Como é que é possível alguém autorizar outrem a carregar árvores inteiras para serem queimadas em plena via publica? Por acaso foi solicitado deferimento a quem de direito? E se foi, autorizaram? E se autorizaram, quem em concreto é que assinou? E quem assinou por acaso tem noção daquilo que autorizou?
Caso porventura queiras contar as tuas peripécias aos teus amigos e se eles ficarem incrédulos ou na duvida podes sempre mostrar-lhes as fotos pois como se costuma dizer: uma imagem vale mais que mil palavras e longe de mim eu querer que tu passes por mentiroso.
Vê lá tu que há dois anos seguidos, para aí uma semana antes do Natal até depois do Ano Novo, o que dá um período de tempo de mais ou menos duas semanas, troncos de árvores e, pior, a base do tronco e raízes atafulhadas de lama, barro, terra e pedras são carregados para o Largo do Cruzeiro para aí serem consumidos num fogo ininterrupto durante o período de tempo referido.
Para além de constrangir o trânsito sendo aquela uma zona problemática por dificuldades de manobra quando dois veículos se cruzam naquele ponto – o que vale é que tu quando ali passas já a noite vai alta e não se vê vivalma senão metias o Rodolfo e restantes renas em cargas de trabalhos quando para mais nós sabemos que os trenós não podem fazer marcha atrás - ainda há lugar a poluição visual e poluição física do local com lama, barro, terra, areia, cinza (que entretanto se vão acumulando), tições, fuligem e fumo e ainda por cima sendo este um período do ano em que chove bastante estão reunidas todas as condições para a conversão do sitio num autentico lamaçal ou, como se diz por cá, num autentico atasqueiro. Segundo consta, este serviço é feito por uma auto intitulada comissão de festas(?) e acaba por beneficiar terceiros com a agravante de fazer, sujar, usar e depois para limpar como seria o seu dever, não. Ao invés disso é solicitado aos serviços camarários, pagos com o dinheiro dos contribuintes, vê lá tu, para que limpem e deixem tudo como estava antes cabendo a tarefa de limpar o que outros deliberadamente sujaram, aos funcionários da Câmara!!! É que ainda se fosse no adro da igreja matriz mesmo sabendo que tal nem sequer é tradição secular por estas paragens ainda vá que não vá! Vamos imaginar que quaisquer outras pessoas… sei lá… assim de repente… comerciantes e donos de cafés por exemplo, iriam querer tomar a iniciativa e fazer o mesmo. Se se autoriza num local tem que se autorizar em todos os demais sob pena de haver desigualdade de trato. Vamos imaginar que mais alguém iria querer fazer algo semelhante no Largo de S. Francisco, na Rua do Relógio, na Praça Bernardim Ribeiro e por aí fora. Como é que os senhores que autorizaram, se é que autorizaram, se é que tiveram conhecimento, descalçavam essa bota?
Não sei qual é a tua opinião. Talvez até tu não só concordes como até aplaudas tal iniciativa pois o teu trabalho deve ser de tal forma extenuante que te apeteça fazer umas pausas ao longo da noite e ainda para mais numa noite fria como é a do Natal é sempre reconfortante e revigorante parar junto a uma lareirazinha sem importância (como é o caso) onde está quentinho. Quem sabe até se tu já precavido do ano passado, sabendo da existência de tal, trouxestes um farnel – pois, porque àquela hora já não dá para comprar nada em lado nenhum tal é o adiantado da hora - para matar a fome e retemperar forças? Um bocado de toucinho rançoso ou uma chouriça manhosa assados na brasa regados com um vinhito a martelo ou uma «bjeca» enquanto tu te aqueces... Não te censuro! Quantos não há por aí que aproveitando tal borralho fazem o mesmo, deglutindo uma lauta petiscada enquanto olham para as brasas? Até lambem os beiços… Agora imagina que eu e outros como eu também iriam querer dar-te as boas vindas e para isso desatava a carregar umas arvorezitas para o meio da rua e acendíamos um belo dum fogo para tu te aqueceres! Então não podemos nós também ser gentis para com o Pai Natal e ajudá-lo a ganhar alento para levar a bom termo tão hercúlea tarefa?!
Que se façam uns arraiais pelos santos populares muito bem. É pitoresco, é tradição e só dura um curto período de tempo, não suja e trás cor e alegria e desde já te convido pois ao contrário da longínqua e gélida Lapónia o clima por estas latitudes é bem melhor daqui a seis meses do que agora. Te asseguro. Que se faça um presépio e se embelezem as ruas pelo Natal é bonito, é original e não prejudica ninguém e é uma forma de decorar a vila, no fundo uma forma de te dar as boas vindas. Assim se fizessem mais. Agora aquilo, perdoa-me o desabafo, é nitidamente um exagero, uma ocupação ilegítima e abusiva da via pública. Se fosse uma coisita pequenina e sem significado, agora uma coisinha àquela escala tanto no tempo como em termos de dimensão?! Acaso não concordarás comigo e não acharás falta de bom senso apesar de tudo?
Bem, não te maço mais, espero sinceramente que ponderes o meu convite. És e serás sempre bem-vindo ao Torrão e quem sabe se para o ano não haverá uma mas várias fogueiras desgarradas a darem-te as boas vindas. Cumprimentos para ti e teus amigos e votos de feliz ano novo.

Aquele abraço

Paulo Selão

























10 comentários:

Anónimo disse...

o meu amigo não conhece santa susana. Lá também fazem o madeiro de natal que dura até ao ano novo. O pior nesta situação é lama, e não tanto a fogueira.

Paulo Selão disse...

Pois mas o Torrão NÃO É S. Susana e cá nunca se fez nada do género. E aliás não é só em S. Susana que fazem isso. Há inumeras vilas e aldeias por Portugal fora onde isto é tradição mas cá não. É que nem é tanto a tradição que impele a tal; são outras coisas. E depois o problema não é só a lama como escrevi na carta ao «querido Pai Natal»

Anónimo disse...

Não tanto a fogueiro porque vôce não deve ser do Torrão para falar assim ou então se é mora fora da Vila ou deve morar na zona H-2!!!Senão sabia o "aperto" em que nos metemos para passarmos ali com viaturas de dimensões que não as "normais" para ligeiros!!!!Alem das viaturas mal estacionadas dos senhores que se decidem alcoolizar nessa auto denominada comissão de festas, ainda mais aquele impecilho a apertar "ainda" mais a via!!!!!Numa Vila onde existe tanta burocracia para se utilizarem recursos publicos, não percebo como se "fecha" assim a via publica para proveito próprio!!!Desculpem mas não há direito!!!!É triste!!!!

Santa Susana disse...

É lá... Santa Susana?
Já que falaram aqui vai de minha justiça:
Em Santa Susana há um lugar feito expressamente para o "madêro".
No Largo em tijolo refractário que na altura devida (antes do Natal) é preparado para o receber.
E lá fica ele até ao Novo Ano.
Não há problema com a lama, nem com a cinza, porque o dito é do Povo e o Povo gosta de o ter.
A limpeza faz-se depois, com os dinheiros públicos, sim senhor.
Porque tal como o "madêro", os dinheiros públicos são do POVO.
Boa?
E como não quero ser uma anónima qualquer.
Desta que se assina:
Aurora Florêncio (a tua colega da Junta de Freguesia de Santa Susana)

Paulo Selão disse...

Cara colega não fui eu quem trouxe S. Susana à colacção. Aliás só soube que tal se fazia aí agora com este comentário de um ilustre anónimo. Nunca tinha ouvido falar antes do «madêro» e até é pena não ser divulgado nem sequer a nível do concelho sendo que noutros lugares até nas televisões passa o madeiro do Natal. E depos as duas situações nem têm comparação, pelo que me diz de S. Susana e pelo que eu vejo no Torrão.

editor69 disse...

WTF?

Paulo Selão disse...

WTF - What a fuck? É isso não é. Pois. Aqui por vezes passam-se umas cenas marada e bué de esquisitas...

Anónimo disse...

Só mesmo gente mesquinha invejosa e má para falar assim e nada está bem para eles...
È assim que a vida deles não desenvolve e não saiem da miséria porque se preocupam com coisas que os outros obteem. Vejam lá o prejuizo que o evento provoca ao transito, Nao venha outro mal ao mundo!!!

Anónimo disse...

Só gente mesquinha, má e invejosa com a vida dos outros para falar assim. è da maneira que a vida deles não avança um dia mais que o outro...

Anónimo disse...

Para falares assim é porque tambem tas a comer de lá de certeza!!!!!Deves d andar com o bolsinho cheio!!!tambem deve ser só assim que a tua vida desenvolve, a prejudicar os outros!!!!!Get a life!!!!!!