terça-feira, agosto 16, 2005

O tubo de ensaio


Cada vez mais o martirizado Iraque mais não é do que um tubo de ensaio onde o exército de ocupação americano testa os seus novos e sofisticados brinquedos. Depois dos robots soldado, que aparentemente tinham grande poder de fogo e iriam reduzir as baixas ianques mas que pelos vistos não resultou, até porque têm de ser comandados, no terreno, por soldados de carne e osso, das bombas acabadas de sair «do forno» que foram testadas durante a invasão e de outros artefactos que não deviam estar em mãos de gente perigosa e estúpida quanto baste, eis que surgem noticias que dão conta da entrada em cena de dispositivos que detectam bombas plantadas à beira da estrada – será que também detectam bombistas suicidas e guerrilheiros emboscados que lhes fazem esperas por aquelas estradas fora? – e de minas inteligentes (???), que aparentemente «sabem» quando e contra quem devem rebentar.
Se estas ditas minas tiverem tanto de inteligentes quanto os bombardeamentos da sua aviação tiveram de cirúrgico não tarda nada que o número de iraquianos mortos e vítimas de guerra cresça exponencialmente. Mas tenho cá para mim que o «inteligentes» é só um pretexto para semear a terra iraquiana de minas terrestres anti-pessoal, um tipo de armamento interdito por todos os tratados e convenções internacionais.
No entanto, no terreno, a violência cega soma e segue com o assassinato, na passada sexta-feira, dia sagrado, como são todas as sextas, para os muçulmanos, de mais umas dezenas de iraquianos que saiam de uma mesquita, pelos seus «libertadores» que cada vez que são atacados ficam absolutamente histéricos reagindo completamente em pânico usando todo o seu poder de fogo contra tudo o que se mexa.
Os insurgentes, em especial a Al Qaeda, também matam iraquianos ás dezenas mas esses, que diabo, são «os terroristas» não são os defensores da liberdade e dos direitos humanos (?)!
Continuem assim! Quanto mais dessas fizerem mais forte e assanhada se torna a resistência à ocupação a qual, tenho a impressão, que nem daqui a 100 anos conseguem subjugar! Basta ver o que acontece em relação ao conflito Israelo-árabe, em que apesar de todas as diligências, levadas a cabo nas ultimas décadas pelo todo-poderoso exército israelita, que, aliás, é equipado e armado até aos dentes pelos EUA, ainda não conseguiram acabar com os grupos armados palestinianos e as acções terroristas contra cidadãos israelitas!

1 comentário:

Ana Rita Bivar disse...

Parabens pelo blog, é diversificado, bem escrito e incisivo.
Continuação de bom trabalho.